estar

ao ar livre

sem tempo a ganhar

ou perder

atravessar uma praça

caminhos possíveis

vários

sem mapas

pés tateando folhas

tocar o ar

cheirar o azul

música feita

de sons falas cheiros

.

seguir o vento

levando

sonhos a passeio

dias de sol

sol

.

amanhã será outro dia

e ainda assim esse dia não vai partir

permanecerá entre fronhas e presságios

.

mas a vida não vai te abandonar

nem te permitir morrer de dor ou tédio

persistirá latente 

.

e em pouco te atropelará 

os momentos de luto serão suspensos

tomados de assalto por contas e caos

.

o alerta será vermelho o tempo curto

a urgência de inúmeras coisas 

trará de volta o intenso tráfego do dia-a-dia

.

as noites serão longas e iguais

durante um tempo sem tempo

montanhas de dúvidas e cavalos de batalha

.

mas aquele dia que você acreditou jamais esquecer

aos poucos irá desbotando

ao contato com raios de sol e vaga esperança

PROMESSAS

costuradas em silêncio
esboços de sombra e luz
traços sutis carinho
passeios por trilhas da memória
escavações e surpresas
.
noites de lua
viagem a um outro país
jardins de inverno sacadas portões
flores brotando ao acaso
temporada de descobertas
.
e nós
pássaros migratórios
esquecemos de partir

san francisco

quero sem querer

algo iminente

irá acontecer

independente

de tudo

 

existe o aqui

aí talvez lá

nesse entre em que estou

já disse isso antes:

é só um suspiro

ou suspense

suspenso nas horas

que resvalam

 

tomo um café

rabisco anotações perfis

esboço meu susto

meu rosto

mil traços

cultivar

Tenho questões pendentes

que me esforço por resolver

embora duvide do valor do que se faz

da dor que nada traduz

da espera nos pontos de ônibus

 

Tenho reunido impressões

em fotos em abraços em branco

guardado amores em rascunhos

apostado em noites sem lua

em corpos sem rosto

em rostos sem amargura

 

Tenho feito de tudo um pouco

e pouco me ajudam os mapas

as viagens de qualquer espécie

e os dicionários de antônimos

 

Mas me esforço para sorrir

bilhar junto aos primeiros raios de sol

e embarcar em sonhos e planos

às vezes em alto mar

outras em voos rasantes 

 

Viajo em rios caudalosos

em braços feitos cipó

um dia maremoto outro túnel do tempo

outro ainda lições de silêncio

ou um amor que dura infinito momento

sem tempo sem muros

semente

viagem

Não durma demais nessa hora
o tempo passa
o trem descarrilha
a morte enlaça

Não volte tarde
não vague madrugadas
o sono é sábio e sonha por você
a noite inteira

não acorde nem mate o monstro
que vigia a casa
mas tenha sempre perto da porta
a trivial bagagem
se a viagem for intempestiva e obrigatória

durma e descanse
pode ser a hora
pode ser que seja tempo
de virar a mesa mudar a rota
saltar às cegas para um novo mundo

recomeçar pode ser o fim
morrer pode ser depois
deixe sempre por perto
a velha carta dos sonhos
e o passaporte válido

partimos

uma hora antes da hora
pés arrastando a vida
e alguma história
.
chão feito de rochas
mapa em branco
e nenhuma vara de condão
.
na bagagem
pouco mais que nada
além das asas partidas