considerações acerca

roubo trechos de conversas

leio manchetes pela metade

mudo o radio várias músicas

a vida assim é recorte

juntar isso é sempre quase

mosaico é uma forma

de enxergar o mundo

sem encaixar coisa alguma

mais

tumblr-in-dissoluvel. jullietth1

(tumblr_indissoluvel_julliett1)

.

volto pra casa

sem querer

penso numa viagem

no sol que se põe

do outro lado do mundo

vontade de ir lá pra ver

aqui não tem graça

ou tem mas esse jeito inquieto

de estar sempre a procura

faz o mundo girar

.

chegarei na hora incerta

não se preocupe

essa vontade de ser

é sempre impulso

mola que movimenta

elástico no estilingue

e então voar

varanda

“O senhor poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui?”
“Isso depende muito de para onde você quer ir”, respondeu o Gato.

enquanto leio

poemas avessos

talvez meus

um gato azul

me observa

distraidamente atento

sei que não ri de mim

nem se apercebe

que meu mundo ruiu

apenas se joga

da varanda

com seus olhos puxados

e seu pelo furta-cor

do outro lado do mundo

Ed Fairburn

Ed Fairburn

nestes dias

onde raízes se põe a mostra

contorcidas como não as vemos

enquanto se guardam nas profundezas,

não aguardo o inverno

mas o intenso calor dos trópicos

sempre cheio de alegorias

alegrias fáceis e, talvez,

entre multidões escondida

a envergonhada e óbvia solidão

que a custa de um enorme esforço

tentamos esquecer em alguma esquina

.

dilemas – a escolha que não fazemos

aí, escancarada num verão febril

não basta fingirmos ser feitos de barro

somos barro e vamos esfarelar

de qualquer modo em alguma estação

sem legenda, pósfacio ou absolvição

talvez uma chuva de lágrimas

ajude a moldar na argila ou areia

a arte que guardamos sem saber

e do embate: dor ingenuidade e fraude

acabemos por entender

alguma coisa desse infinito que somos

instantâneos

Colón – a praça
um pombo caminha
junto a minha sombra
quase sobre mim
como se eu não …
.
paro
se levantasse os braços
e ele não me notasse?
saberia que …
nada de testes
.
aguardo uma retratação
uma exposição de fotos
uma expedição longínqua
para algum território
ou vazio
.
são muitas setas planos motivos
aguardo a última chamada
talvez vá
talvez voe

algo de bom

feche os olhos

nesta varanda

as flores não vão

te deixar morrer

.

ouça o barulho do mar

entoe uma cantiga

conclua aquele pensamento

fugidio

.

confie

rasgue a carta de adeus

a bula do remédio chamado certo

.

relaxe

algo de bom

vai acontecer

.

repare no broto de girassol

em instantes

a casca da semente

vai se romper

.

os seres invisíveis

estão aqui

feche os olhos

para vê-los 

.

as flores sorriem

porque você veio

por você

cansaço

Foto Taylor James
(foto Taylor James)
.

eu queria fazer coisas com sentido, não, coisas que quebrassem o sentido
ditado pelo que já é posto, pelas forças cotidianas que nos fazem fingir
como se isso fosse o melhor de nós, queria matar um a um os meus medos
deletar passados, mostrar meus seios, abrir o peito e dizer sim ou dizer não
se fosse pra frear um trem descarrilhado, parar o tempo um dia antes
de um acidente rodoviário ou vascular, desfazer armadilhas, desatar

queria meu pensamento não tão disperso, intermitente, incontrolável
não me dividisse em dez, em mil, cada uma um olhar, um paradeiro
é difícil viver num planeta de espelhos por todos os lados
que não me repetem a mesma, não, ao contrário, me denunciam múltipla
diversa e ainda assim confinada a essa pele corpo roupagem

preferia não ter ido ao céu pois ele me deu a dimensão do inferno
se tivesse morado na Bolívia, não teria flertado tanto com o inimigo
batido tantas vezes na porta errada, assaltado noites frias
mas o tempo é isso, nada e tudo, um tambor de revolver
eventualmente vazio, potencialmente um tiro, um lugar escuro

está bem, não foi um bom dia, não queria, juro, incomodar ninguém
com essa minha poesia vômito, feita de sertões e dilúvios
verso que se desdobra, confessa e logo em seguida desdiz
passado, futuro, pretérito, conjugações numa língua difícil
onde cada verbo é um mundo ou mero sentido dúbio para uma noite mal dormida

fronteiras

fiz um livro chamado fronteiras, levei-o comigo a muitos lugares

na tentativa de delimitar, ou melhor, deslimitar meu mundo

deixei-o entre espanha e portugal no exato ponto em que me disseram

aqui é um, ali é outro país, embora não tenha notado qualquer diferença

outro está perdido entre mato grosso e bolívia

onde pode parecer que é só um fim de mundo e não dois

em outras fronteiras neste mesmo Brasil ou longe dele,

e, os que não deixei, queria ter deixado (e por isso lá estão)

e continuo espalhando-os por aí

e dentro de mim, indefinidamente.