do outro lado do mundo

Ed Fairburn

Ed Fairburn

nestes dias

onde raízes se põe a mostra

contorcidas como não as vemos

enquanto se guardam nas profundezas,

não aguardo o inverno

mas o intenso calor dos trópicos

sempre cheio de alegorias

alegrias fáceis e, talvez,

entre multidões escondida

a envergonhada e óbvia solidão

que a custa de um enorme esforço

tentamos esquecer em alguma esquina

.

dilemas – a escolha que não fazemos

aí, escancarada num verão febril

não basta fingirmos ser feitos de barro

somos barro e vamos esfarelar

de qualquer modo em alguma estação

sem legenda, pósfacio ou absolvição

talvez uma chuva de lágrimas

ajude a moldar na argila ou areia

a arte que guardamos sem saber

e do embate: dor ingenuidade e fraude

acabemos por entender

alguma coisa desse infinito que somos

2 comentários sobre “do outro lado do mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s