georreferenciando

a linha que se estende

de mim até o horizonte

se afasta do dia-a-dia

me leva a outras paragens

 

o fio que me liga ao passado

se esgarça enquanto outro se fia

 

o que fomos ou sonhamos ser

se esvanece transmuta realiza

 

e diante do que foi  pleno ou vazio

me deparo com o novo o antigo

alegria calor frio

e novas geometrias

olhos de mar tardio

mando em cópia
um currículo pródigo
um número de telefone inventado
mudo de endereço sem avisar
e fujo pro entardecer perto do mar
é tão lindo que dói
suspende o fôlego
rasga certezas

um dia desses tudo isso vai acabar
talvez a paisagem nos perceba
como breves caminhantes
de um imenso cenário
nós – em rápidas pinceladas
vamos vivendo
o personagem que nos cabe

a tarde avança
e o mar segue
por terras distantes
olhos e sonhos
pousando numa linha
horizonte

FUTUROS

Quem olha assim de longe o horizonte

espera alguém ou pensa em quem partiu ?

terá saudades de ontem ou de um futuro qualquer?

decide ficar ou planeja partir antes de um novo dia ?

Que diálogos sem palavras trocarão seus inúmeros habitantes ?

a princesa do alto da torre, a cigana, a cigarra, a flor do deserto

a menina que um dia sonhou ganhar o mundo a qualquer custo?

qual delas vencerá neste minuto ?

Qual delas cairá para sempre após a próxima escolha ?

Peças de um dominó de brinquedo

Folhas novas de uma árvore antiga

Em que baú guardar (ou não) tantas faces e desejos ?

França, junho, 2010