um livro se tecendo

de entranhas e vertigens

abarrotado de enigmas

ainda indecifráveis

tempo comendo tempo

fio puxando fio

abrindo feridas

cicatrizando outras

uma história e seu enredo

uma vida e seu epílogo

um trago uma arma

um pouco de sopa

outro tanto de sorte

o dorso nu do personagem

a embriaguez das primeiras falas

um livro se tramando

brotando de dias sem sol

de janelas entreabertas

a dura saga do protagonista

a odisseia do escritor

quase

Foto com detalhe do trabalho tteia de Lygia Pape

já tinha até título

na cabeça os personagens pela metade

esperavam

cada um do seu jeito

para entrar em cena e se completar

diria que eram mais que esboço

só faltava aquele mágico toque

mas tive medo

de arvorar-me deus

cenário

no meu calçadão

quando faz sol

há sempre o homem calvo

o ciclista paramentado

o gari cansado

e a jovem de cabelo azul

 

em dias nublados

além destes

aparece o senhor de bengala

com o garoto do velocípede

um bebê no carrinho

tudo assim igual igual

 

muito raramente

um novo personagem surge

e muda o rumo dos ventos

minha forma de andar

os horários do meu dia

o meu dia