grão

dsc_0176-copy

.

asilar-se

por alguns sóis

na força do deserto

na sombra pouca

do valor raro

do vaso etrusco

assombrar-se

na vastidão do céu

sem luzes ou cidades

dias sem lua

deixar-se tomar

pela imensa estranha

sensação de ser

um ínfimo grão

e ainda assim

ser tudo

do longe

traços

quando o silêncio transborda

ouço seus passos

sua voz chega

do longe do nunca mais

.

 

sua sombra

ainda se esconde

entre as plantas da varanda

às vezes me assusta

outras me entristece

sombra

Vou

não sei de onde

pra onde porquê

estou rondando

uma sombra

que me ronda

indo sem ir

vaga onda

por um vento leve

uma brisa um nada

como alguém

que acorda

dentro de um sonho

prisioneira

artifícios

Um dia você vai perceber

que tudo o que somos é mero artifício

Imagem de miragem por trás de tanta sede

Sombra escura no fundo do espelho

Onde se olha e não se apaixona mais

Onde busca e não encontra conforto algum

Um dia desses o álcool não fará efeito

Nem toda droga dará alívio

Para a hora que não passa

E ao longe o farol aponta o vazio

O sol que se desmancha pó

E o instante perdido de um sonho

Sempre distante e no mesmo lugar.