es quinas (vania)

não sei se quem me fascina me domina

ou se quem me matará um dia

foi por quem me apaixonei

e para quem disse, por pura tolice,

que fizesse de mim o que quisesse

agora escrevo com uma caligrafia que não reconheço

como o sorriso, quase um arremedo

me sinto embriagada de mim mesma

não é a lucidez a filha pródiga da loucura ?

ou será o contrário ?

escrevo porque de fato preciso

é minha mão destra e possessiva

que me toma a vida e transmuta em palavras

minha luta diária para ser comum

me faz precisar dela, como dependente química

não posso não escrever

caminho todas as noites

por minhas próprias ruas insólitas e escuras

é inevitável, quase inexorável sina

e só não me afogo em mim

porque transbordo nesses versos

sem rimas, sem tábuas de salvação

cheios de quinas

e esquinas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s