janelas

são muitas

janelas entreabertas

portas fechadas

bato escancaradamente

em algumas delas

nada

.

subo pelas paredes

tento alcançar varandas

o homem-aranha me tira

da cena

não aceita coadjuvantes

nenhuma estrela

ainda que cadente

a lhe fazer sombra

desisto

.

deslizo muro abaixo

de volta ao térreo

ao reles mundo sem asas

apago a luz

recolho o sonho

tranco a porta

com sete chaves

e nenhum acorde