garoa





 
 insistentes
 as gotas escorrem 
 entre os dedos das folhas
 esparramam-se pelo chão 
 brincam no balanço quebrado
 enchem o velho cocho
  
 pequenas e firmes
 como pensamentos obsessivos
 translúcidas e brilhantes
 descem paralelas e perfeitas
  
 eu as observo
 enquanto sorvo um chá
 me aquieto e espero
 que a chuva passe
 e o vento leve
 esses dias avessos 

paralelas

lua-e-estrelas
.
Fizemos uma festa
Não exatamente uma festa
Pois a convidada principal
Não poderia estar presente
Ainda que tomasse tudo e sorrisse

Caminhamos na praia
A lua e as estrelas brilhavam sem cachê
Por pura vontade de existir
Em sintonia com o universo

Vi uma estrela cadente
Fiquei feliz ainda que o coração partido
Pedi nada e ao mesmo tempo tudo
É sempre assim na aflição de responder
Em um segundo qual o nosso especial desejo

Neste momento o desejo maior
Não poderia ser satisfeito
Tem coisas da vida que não tem direito
A retoques ou correções

O céu estava lindo de doer
O mar brando ia e vinha em seu eterno repetir
Formávamos um grupo inusitado
Em nenhuma outra circunstância
Estaríamos ali juntos

Pés afundando na areia passos sem motivo
Enquanto uma estrada paralela e clara se desenhava
E nossa amiga seguia por ela
Ao som de pássaros e violinos

(para Denise)