noite1

escureceu

adivinho o céu

ouço os multifacetados

acordes do silêncio

respiro o cheiro de mato

alinhavo o dia

me aquieto

aos poucos me transmuto

bicho quieto e manso

que ora sou

ora me consome