minimamente

Se faz noite em pleno dia

O chão falseia, tudo muda de lugar

O breu engole as cores e as saídas

E falta o ar, os motivos 

De repente, gestada às escondidas

Uma flor brota do nada (do tudo)

E na calçada do teu coração

Uma raíz rompe o concreto

Outro beijo, outros braços

Apontam inesperada direção

Nasce novo dia

Não importa se dentro da noite ou em outra vida

Luz no fim do túnel

Mínima flor sorri

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s