poemas ao vento

Poemas ao vento .

pensei te dizer que a vida parece um circo

desses pequenos, de interior, cheios de erros e improvisos

mas a imagem não iria te agradar e calei

queria ter dito também que às vezes o medo é algo palpável

veste um sobretudo grosso e anda devagar

mas estávamos com pressa ou algum assunto diário

ocupou nosso espaço e a coisa passou

agora, depois de tantos quase ditos

te observo dessa distância que se fez entre nós

teria sido diferente se tivéssemos ido ao interior

e assistido ao circo desorganizado de nós dois ?

teria sido melhor se você tivesse apertado a mão

do companheiro de sobretudo que rondava nossa casa ?

e se eu tivesse falado com você que sabia da sua dor

da culpa que nunca te deixou dormir direito ?

teríamos sido diferentes, com certeza

nem melhor nem pior, provavelmente apenas diferentes

e talvez ainda assim desnudados, estivéssemos agora

emparedados em nossas solidões

talvez ainda agora o silêncio escavasse nossos dias

concreto e sólido – inarredável e bruto

talvez, mas o talvez deixa sempre em aberto

e move estrelas diferentemente do nunca

agora não há circo nem luzes no nosso palco

mas não longe daqui

o equilibrista segue concentrado em seu número

e o sobretudo descansa sobre a cadeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s